Páginas

segunda-feira, 23 de setembro de 2013

POEMA: Efêmero


Foto: Reprodução /Internet

Ele se apaixonou por ela no primeiro instante que a viu.

Ela andava tão carente que até se o vento tocasse nela e 

dissesse: "vamos?", ela iria.

Mas era tudo carne. Era apenas pele na pele.

Quando o encanto acabou, tudo terminou.

Nem beijos, nem flores, nem carta de amor.

2 comentários:

  1. Os sentimentos verdadeiros permanecem e ultrapassam a barreira da carne.

    ResponderExcluir
  2. Concordo Erlon Andrade :)
    Uma pena que eles estão cada vez mais escassos :(

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...